sábado, julho 18, 2009

Eu vi um caminhão azul. Ford, frente quadrada, robusto, bem usado, mas inteiro. E azul. Dei passagem, pois estava na alça de acesso para a alça de acesso da Radial à Penha. Eu estava longe de tudo o que conheço e a preferencial era do caminhão azul. Vestia meu terno usual, colete de lã pelo frio, gravata melhorzinha no meu fit e vi que estava tudo errado. Pois quando eu brincava com meu caminhão azul, de frente quadrada, robustinho, eu levava sacos de café na caçambinha para o moço de santos, de onde o café partiria para outro continente. Era assim que o meu avô explicava quando me deixava guiar a sua Toyota e aquela Toyota, junto com meu caminhãozinho azul no banco ao lado eram veículos para a felicidade. Eu jamais usaria gravata e precisaria tomar providências drásticas pra aguentar uma barra mais imaginária que os sacos de café no meu caminhãozinho, barra-fruto de desencontros entre repartições públicas que pudessem me prejudicar. Meu avô explicava: era plantar, cuidar, esperar, colher, secar, descascar, ensacar e levar para o porto de Santos, que eu não fazia idéia onde ficava. Não haveria erro. Ou os erros que houvesse, eram absolutamente administráveis.
Em Santos hoje eu sei que fica a instituição para a qual eu devo entregar uma dissertação, a qual simplesmente está pela metade, sem nenhum avanço há meses, por algum motivo perdido nos desencontros, não entre repartições, agora. Desencontros entre os meus caminhões azuis, o de plástico e aquele para o qual eu dei passagem, na alça de acesso à alça de acesso da Radial à Penha.
Dirá alguém que eu nunca guiei a Toyota, que na verdade eu apenas sentava no colo de meu avô e ele embreava, acelerava, freava e estava atento para, em qualquer movimento em falso, reassumir o volante. Dirá esse alguém que esse fit, pelo menos, eu guio e decido prudentemente dar passagem ao caminhão azul, para que ele não me amassete.
Eu replico: será?
E num segundo post começado assim, sem solução de continuidade, eu penso em Deus. Não há espaço para Deus no mundo do twitter e dos blogs, pois todos devemos ser hilários e sarcásticos. Nosso humor ácido deverá cumprir suas muitas utilidades, como demonstrar nossa inteligência e perspicácia. Assim, diremos ao mundo que somos a resistência silenciosa para as iniqüidades, sabemos lidar com elas e principalmente aceitá-las. Seremos práticos, sintéticos, cento e quarenta vezes objetivos em nossas avaliações críticas. Assim nos situaremos em nosso momento histórico e poderemos até ser retwittados e comentados.
É inadequado dizer que o que mais quero é que Deus deixe, igualzinho ao meu avô, girar um pouquinho esse volante.

1 Comments:

Blogger be said...

華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,

1:47 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home