quarta-feira, outubro 28, 2009



















Parte I.
Jurandir chegou. Oito e quinze, aquele atrasinho baba (marcado pras sete e meia), chegou com seu inquebrantável (aú) bom-humor.
Jurandir é o caipira atual. Se ele ouvir isso, vai pensar que é 'xingo', mal sabe Jurandir que eu louvo o caipira e entendo-me um deles.
Pena que não sei pôr audio, minha mãe fala que imito igualzinho o Jurandir. Um estrangeiro (vale dizer, paulistano, carioca ou gaúcho) talvez não entenda uma palavra do que Jurandir fale: "aooonerzim, bãozim, dáresvriad, dá? ah, é rrrrriniti, mudaodempu adaga a gendi messs..."
Caipira atual pq anda de honda biz (e pra eu entender honda biz?) e tem a atávica preguiça que ataca a gente, que nem rrrrriniti na poeira e que aumenta seu almoço pra duas horas e faz com que vá embora quatro e meia.
Minha mãe e os utilitaristas republicanos condenam Jurandir por esse desvio, eu rio e enalteço o aspecto cultural (republicanos no mau sentido messs, ianque, embora dona verinha seja tranquilex nesse ponto, só quer ver sua casa consertada).
Jurandir é o faz-tudo aqui de casa. Uns oito anos atrás, veio uma equipe com seus aparelhos emprestados de filme de espião, para rastrear e solucionar um entupimento. Jurandir nesse dia magoou. Estava com seu pincelzinho dando um retoque na ferrugem causada pelo mijo do cachorro, quando a equipe assomou ao portão.
Discreto, ouviu o líder sentenciar que deveríamos quebrar o piso da sala, por onde devia haver uma caixa de inspeção (?), a fim de que os cocôs à fossa fossem. E ouviu o absurdo preço do orçamento. Deixou-os ir embora e, magnânimo, dada a preterição, diagnosticou em seu dialeto: "uh, donavera, zi a zinhór vala breu, eu disintupo, brezisa guebrar nadanão, a caixina de insbezão dálí no cantim, óizó bra zinhór vê".
Jurandir, mais uma vez, fez o serviço, incluído no preço da diária.
Minha mãe fala que Jurandir me adora e fala bem de mim, em seu dialeto. É porque eu compreendo o Jurandir, mais que seu dialeto. Se bem que ele também adorava meu pai, embora travasse diante dele, o que diminuía ainda mais a paciência de meu pai.
Meu pai nunca entendeu pq nós gostamos tanto do Juranda. Mas é que ele, meu pai, infelizmente não pôde conhecer o Jurandir, pelo só-fato de Jurandir travar diante de si. Medo mesmo, sei lá. Não conseguia raciocinar. E meu pai explodia, quem me viu na mesa de bar não aguenta mais eu contar da cena: Jurandir, A LATA, ESSA LATA, NESSA PAREDE. A OUTRA LATA, NA OUTRA PAREDE, ENTENDEU??? E Jurandir travado, movimentos hipnóticos, sem raciocinar, querendo sumir dali. E trocou as latas, as paredes e meu pai ficou putíssimo e mesmo assim continuou a contratar o Jurandir.
Pq, afinal, o Jurandir é o nosso herói de seriado americano vintage.

1 Comments:

Blogger be said...

華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,

1:48 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home