domingo, abril 13, 2008

Chovia mas o menino sentia o sol queimando-lhe a cara, detrás das nuvens. Chovia e algumas gotas pingavam salgadas do seu queixo. Não seria a primeira nem a última vez, ele se irritava ao ter de repetir tanto aquela frase. Incrível como a introspecção reaviva cenas tão distantes. Parou na esquina e viu-se diante do caminho bifurcado. Chegaria à sua casa de qualquer maneira. Um pequeno desvio à esquerda, no entanto, poderia acarretar bem mais que o atraso de minuto e meio. Recordou da disposição dos porta-retratos nas estantes. Os sorrisos nas faces das pessoas, muitas das quais eram ele. Um homem dividido é um meio-homem, quem mandara criar aquela frase que àquela hora lhe açoitava mais que a água, que se fortaleceu gradativamente e agora era tormenta. Um frio intenso, calafrio e tosse e, ainda assim, o sol ainda lhe queimava o sangue. Então o menino tornou-se mais menino e rumava à aula de catecismo, quando aquela senhora bondosa lhe disse num sorriso sereno, que muitas vezes ele teria diante de si uma bifurcação e então cabia a ele, exclusivamente a ele, decidir por qual dos caminhos continuaria seu destino. Sim, seu destino. Flexível e solúvel como... uma hóstia. Tudo o mais seria mentira, para todo o sempre seria mentira.
A casa era verde, algo suja, pouco envelhecida. As cortinas puídas batiam nas grades das janelas. Abertas, um rádio chiava em AM, o único sinal de vida humana. Latidos. O menino parou do outro lado da rua, atrás de si dezenas de jovens entoavam hinos religiosos e batiam palmas, secundados por uma guitarra desafinada. Criara o menino, naquele momento, um caminho polifurcado, por que não. Foi quando fechou os olhos para a casa, para os hinos, para a chuva e o sol, para todo o som que não o do pulsar de seu coração. E foi naquele momento, ou mais exatamente nesse agora, que lhe deu a vontade incomensurável de correr até a sua casa, colocar todas as flores na varanda para tomarem a chuva, junto com ele e seu coração que pulsa e depois pintar o chão com seus pés molhados, por toda casa, enquanto averiguava cuidadosamente se cada um dos sorrisos daqueles porta-retratos todos não poderia simplesmente continuar a existir.
*
(esse post foi escrito todinho com chasing cars ao fundo, mais uma música preferida apresentada pela dani m.).

8 Comments:

Blogger Virgínia said...

Seria mesmo bom se os sorrisos dos porta-retratos continuassem a existir...

7:27 PM  
Anonymous Anônimo said...

Escolhas...ai..ai

bjsssss

AdriB

9:57 PM  
Blogger Madureira said...

sempre podem voltar a.
*
drib! jogador bom é aquele que driba pro gol. é assim que vc é.

11:33 PM  
Blogger Carol said...

Demorei, mas li. Não sei porque... mas me bateu uma saudade de uma certa época...
Beijos.

9:05 PM  
Blogger Madureira said...

sua demorada rsrs.

12:40 AM  
Anonymous Anônimo said...

--- - .- .-. .. -----

12:27 PM  
Blogger Madureira said...

pois é, anônimo, eu tb concordo: -....----..-.-.-.-.......-.-.-..
------------
...........
.
.
.

1:24 PM  
Blogger be said...

華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,

1:13 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home