quarta-feira, janeiro 23, 2008

Cacemo-las.


Do pouco que me lembro da aula colegial de literatura, tem uma informação que dá conta ser o romantismo caracterizado pela vinculação constante do exterior, como clima, paisagem, cores, com o estado psicológico do autor.
Asi que soy romántico. Mas acho que só nesse aspecto, constato.
Alie-se tal qualidade à já conhecida falta de suficiente conhecimento técnico sobre a sétima arte e tem-se que os filmes de que gosto são os que se misturam de alguma (ou muitas) forma(s) à minha vida.
No entanto, uma cena vista hoje, mesmo por um nulo na arte como eu, tem uma beleza que me obriga a tentar descrevê-la: vê-se um menininho largar a pipa enquanto o outro a empina, a pipa sobe e a câmera acompanha, de frente, até um ponto em que muda bem rápido a tomada e já se vê a pipa de cima, com a cidade toda embaixo dela. Isso junto com a música que tava tocando na hora deu um negócio forte e bom em mim.
Um dos muitos negócios bons, negócios meio bons, negócios bons mas que quase me fizeram sair da sala (vou contar, vai: quem quiser saber como era meu pai, repare no pai do ator principal. O foda foi que a semelhança foi aumentando, aumentando, até o final da participação dele. Aí meu, até a miseme ficou preocupada comigo. Mas depois passou). Negócios que eu não devo contar aqui, pra não perder a graça, mas digo que é um filme cheio de detalhes, de nuances, que vai me fazer fatalmente ler o livro, assim que terminar o amor nos tempos... que já tá na metade.
Algo sempre bom de ver, e que hoje estava explícito, é a segunda chance, o fato de que "há uma forma de voltar a ser bom". Isso existe, é real, no Afeganistão ou na Vila Mariana. E dá alento.
Fora isso, a guerra. A guerra me faz ter um medo estranho. Um medo, penso, do que já vivi, eu que acredito em vidas passadas e presentes e futuras. Um medo do que devo ter sofrido, do que devo ter feito sofrer. E uma sensação de curiosidade sobre o que cada um de nós faria, na hora do "vamo ver". Sou um cara pacato, mas sei que nessa hora eu seria como o pai do cara. Pq na minha veia corre o sangue misturado de dois homens que pegaram a vida à unha, tiraram-na pra dançar e bailaram o quanto puderam. É assim que eu quero ser e serei e, de certa forma, já estou sendo. Mas vamos potencializar isso, certo, pipa que vela por mim no ar? Saudades de vcs dois, sempre.

5 Comments:

Blogger Dani said...

Não vi o filme ainda, mas eu li o livro. Foi o melhor livro que li nos últimos tempos. Eu nunca tinha chorado em livro nenhum, mas chorei lendo "O Caçador de Pipas". Apesar disso, vale a pena ler. é mto bom mesmo.
Beijos

11:21 AM  
Blogger madureira said...

eba, será o próximo a ser lido. mas assiste sim, daquele jeito, espírito aberto, é um filmaço.

9:11 PM  
Blogger Daniel said...

Dessa vez vou ler o livro antes, assim que meu pai desocupar a moita.

9:39 AM  
Blogger madureira said...

estou na página 1.

10:44 AM  
Blogger be said...

華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,

1:05 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home